Uma viagem incrível a Berlim, na Alemanha – Parte 2 de 2

Hoje voltamos com a segunda parte de Berlim e seus pontos turísticos. Espero que tenham gostado da primeira parte e que venham os próximos destinos!

“Catedral de Berlim”

A magnífica Catedral de Berlim fica ao lado do lindo Rio Spree, pertinho da Ilha dos Museus e foi construída durante o reinado do Kaiser Wilhelm II entre os anos 1894 e 1905, seguindo os planos do arquiteto Julius Raschdorff em estilo renascentista italiano. Uma  pequena catedral  barroca  esteve  antigamente no local e foi demolida para a construção da nova catedral.

O Berliner Dom, ou a Catedral de Berlim. Atrás, a Television Tower.

 

Catedral de Berlim vista do canal do Rio Spree

 

Na foto acima, estão algumas estátuas sentadas no muro observando a Catedral. Muito legal!

“Parque Tiergarten”

E, finalmente, pudemos conhecer o famoso parque Tiergarten. Era primordial conhece-lo. Em todas as minhas viagens é prioridade conhecer os parques locais. Amo fazer piqueniques, explorar os arredores, sentar na grama e respirar o ar fresco.

Aqui não foi diferente. E ele é enorme! E ele é super bem cuidado!

O nome “Tiergarten” quer dizer “Jardim dos animais”, porque quando foi construído era o campo de caça da realeza. Anos se passaram, o jardim tornou-se público e o mais importante da cidade.

Durante a Segunda Guerra Mundial, o parque sofreu danos e, devido a escassez de alimentos e sobretudo ao frio, os habitantes de Berlim não tiveram alternativas a não ser  cortar suas árvores a fim de se aquecerem e se alimentar no inverno rigoroso.

Anos mais tarde o parque passou por estágios de reflorestamento e voltou a ser o orgulho da cidade de Berlim!

Nossa parte favorita: comer baguete no parque!

Uma das entradas para o Parque Tiegarten

Outras atrações e curiosidades em Berlim:

“Ampelmann” – Os Semáforos de Berlim

Fiquei intrigada com os bonequinhos dos semáforos de Berlim e fui pesquisar sua origem.

Estes bonequinhos, chamados Ampelmännchen ou Ampelmann, eram exibidos em sinais de pedestres na antiga Alemanha Oriental e são um dos únicos sobreviventes da vida cotidiana daquela época, se tornando os queridinhos de toda a Alemanha, depois do fim da Cortina de Ferro.

Foram desenhados em 1961 por Karl Peglau, de Berlim, que queria criar um semáforo que seria, ao mesmo tempo, atraente para as crianças, mas facilmente acessível e compreensível para os alemães idosos.

Hoje, não só em Berlim, mas em todo o mundo, eles estão espalhados com várias aparências diferentes. Mas o bonequinho original é de Berlim.

As várias lojinhas e o urso, símbolo de Berlim

“Memorial do Holocausto” – o Memorial dos Judeus mortos na Europa

O memorial é lindo e fica ao lado do Portão de Brandemburgo, e a estrutura mais parece um imenso cemitério a céu aberto no centro de Berlim. O lugar proporciona um espaço para reflexão sobre os horrores cometidos pelos nazistas contra os judeus e outras minorias durante o Holocausto. Em seu subsolo há o centro de informações onde há exibições permanentes, com fotos da guerra, e também uma lista com os nomes de todas as vítimas documentadas do Holocausto.

“Kaiser-Wilhelm-Gedächtniskirche” – a Igreja Memorial Imperador Guilherme

A igreja Kaiser-Wilhelm-Gedächtniskirche ou simplesmente Gedächtniskirche (Igreja quebrada) é uma das atrações mais famosas de Berlim. Os restos da torre são hoje um memorial para lembrar os acontecimentos e destruições que aconteceram na Segunda Guerra Mundial. Uma das principais peças exposta é a Cruz de Pregos de Conventry, representando reconciliação.  Os pregos, dos quais a cruz é feita, foram retirados das vigas do telhado da catedral de Coventry na Inglaterra, que também foi destruída após um ataque aéreo alemão e que também teve suas ruínas mantidas.

“Siegessaule” – a Coluna da Vitória

A coluna da Vitória é um dos principais pontos turísticos de Berlim, e fica bem no coração do Tiergarten, o parque mais famoso da cidade.  Vitória é  o anjo que se vê no seu topo.

“Nívea Haus”

Em Berlim, Hamburg e Warnemünde (spa) há lojas só com os produtos Nívea, as Nívea Haus!  A de Berlim é linda. Fica na Unter Den Linden, 28 e abre de segunda a sábado das 10:00 às 20:00h.

“Chocolateria Fassbender und Rausch”

É uma chocolateria maravilhosa em Berlim e a primeira “chocolateria-restaurante” da Alemanha. É um dos pontos de encontro favoritos para apreciadores de chocolate. Foi fundada em 1863.  Instalado em um prédio do século XIX, na Charlottenstrabe 60, na Gendarmenmarkt, na entrada da loja há réplicas de chocolate das maiores atrações de Berlim. Há um restaurante e café espetaculares.

DADOS DA VIAGEM A BERLIM:

  • DATA DE CHEGADA – 18/Maio/2016 – 4ª – feira por volta de 15:30h
  • DATA DE SAÍDA – 21 / Maio / 2016 – Sábado às 11:34h (trem)
  • HOTEL: “A&O BERLIN HAUPTBAHNHOF”
  • ENDEREÇO: LEHRTER  STR., 12 – 15 – MITTE
  • ESTAÇÃO CENTRAL:  “Berlin Hauptbahnhof”
  • DISTÂNCIA DA ESTAÇÃO CENTRAL: 10 minutos a pé.
  • ESTAÇÃO DE METRÔ PERTO:  A Estação de metrô mais próxima fica dentro da Estação Central de Trem “Berlin Hauptbahnhof”.
  • CHECK IN: A partir das 15h. / CHECK OUT: Até às 10h
  • OBSERVAÇÕES DO HOTEL: Cancelamento grátis, Wi-fi grátis para clientes genius do booking. Recepção 24 h.
  • ENTORNO DO HOTEL:  O Hotel fica em uma área residencial, com um mercado bom perto. Não há restaurantes, nem padarias ou qualquer outro tipo de comércio nas redondezas.
  • DIÁRIAS: R$ 901,00 – 225,54  euros (preço para 03 diárias)
  • Tempo de Praga a Berlim – 5 horas

MINHAS CONSIDERAÇÕES

O Hotel é bom, enorme, com quartos privativos e coletivos, perto da Estação Central. Não é fácil de achar pois envereda por uma avenida e depois algumas ruas. Andamos uns 10 minutos. Por se tratar de um Hostel, ficava bastante cheio de jovens a todo o momento. O quarto é enorme e arejado mas sem vista para a rua, sem ar condicionado ou ventilador, apenas aquecedor. Na recepção do Hotel, há um ambiente gostoso com sofás e mesas  onde tomávamos cerveja e chocolate quente da máquina. Também comemos  pizza de lá. Simples, mas aconchegante. O café da manhã tinha pouquíssima variedade, sem frutas e apenas algumas opções de pães. Aliás, foi o pior café da manhã de nossas viagens. Estilo “A&O”. A sala de refeição é de um tamanho bom, com muitas mesas. A limpeza do quarto é feita diariamente, mas sem trocar toalhas ou lençóis. Banheiro grande e limpo. Chuveiro bom.

A rua do hotel é bonita e tranquila, tendo um bom mercado a alguns metros. Íamos à Estação Central todos os dias, até porque é lá a estação de metrô mais próxima.  Almoçávamos sempre na rua, cada dia em um lugar diferente. Três dias foi pouco para ficar em Berlim. Deixamos de ir a vários lugares por falta de tempo. A cidade é linda e grande e tem muita coisa pra se ver. Usamos metrô  durante toda a nossa estadia. O metrô é um capítulo à parte. Difícil de usar pois, o trem sai da Estação Central, vai até duas estações e depois volta para a Estação Central. Aí você tem que descer em uma das duas estações e pegar outro trem ou sair andando, foi o que fizemos. O Metrô também tem partes que anda na superfície e em outros momentos temos que descer em uma estação e pegar ônibus. É meio tenso e até aprendermos esse macete tomamos muita pernada. Ficamos craques em metrô de Berlim.

A tranquila rua do nosso Hotel.

Cidades para visitar no entorno:

Como em Colônia, nossa ideia era visitar algumas cidades no entorno, mas, já em Juiz de Fora vimos ser impossível, pois, se ficaríamos apenas três dias em cada cidade, como faríamos tantos bate-voltas?

As cidades que tínhamos selecionado para visitar eram: Hamburgo (1:42h), Dresden  (2h), Leipzig (1:20h), Nuremberg (1:20h), Potsdam (39 min.).

Resolvemos escolher uma entre todas essas. Foi difícil. Todos as pequenas vilas no entorno pareciam lindas. Queríamos ir a Nuremberg, mas a passagem de ida estava em 55,00 euros por pessoa. Muito caro! Escolhemos, então, Potsdam que fica perto, como um bairro de Berlim, e usamos metrô.

No dia de irmos embora de Berlim saímos do Hotel cedo, chegando logo à Estação Central. Era dia de jogo de futebol em Berlim entre o Bayer de Munique e o time local. A Estação Central estava lotada de torcedores de ambos os times e os trens chegavam apinhados de gente. Estava tenso com vários policiais e cães na estação. Mas, em momento algum houve tumulto. Tudo muito bem organizado. Só nos perdemos um pouco porque a estação é muuuuuito grande, com vários andares (sete ou oito), e até acharmos nosso trem foi uma luta.

Partimos no trem das 11:34 hás rumo a Frankfurt, chegando lá por volta das 15:30 hás. Em Frankfurt pegamos outro trem que nos levou até o Aeroporto

Viagem de Berlim a Frankfurt, de trem, com toda mordomia da 1ª classe e internet free.

 

E assim terminamos nossa linda e emocionante aventura por essa que, na minha opinião, é uma das cidades alemãs mais bem estruturadas que já vimos.

E de Berlin, um bate-volta a Potsdan, mais isso é prá um outro post.

A gente se vê em Potsdan!!! 🙂


 

ABOUT ME 

Rachel Miranda – Brasileira, graduada em Direito, sócia da Empresa Protege Seguros e uma apaixonada por conhecer outras culturas.